Lana Del Rey e seu Lust For Life

27 de setembro de 2017


Lana Del Rey e o que acontece com ela na indústria musical é um fenômeno interessante e que precisa ser estudado. Enquanto artistas como: Taylor Swift, Katy Perry, Beyonce, Rihanna... se renovam a cada disco para provar aos fãs algo que precisam para se manterem relevantes, Lana não. Sua música é tão boa e única que apenas o fato da própria existir já se mostra relevante. Talvez venha dai a obsessão dos paparazzis com a donzela, que é uma das celebridades mais clicadas do mundo. E acredite, uma das cantoras mais famosas de sua geração.

Born To Die é ousado, mas clichê. Ultraviolence é uma obra prima, que peca apenas em suas letras controversas. Honeymoon é um álbum que exalta o tédio de maneira esplendorosa. E o Lust for Life... 

Love

Faixa que não poderia estar alocada em outro lugar, que não na abertura do disco. Envolvente e original, evoca uma áurea que remete ao Born to Die. Sua letra é belíssima e uma verdadeira homenagem e agradecimento de Lana, para seus fãs. Acho-a uma música catártica que está no panteão das melhores canções da artista.

Lust for Life (feat.The Weeknd)

Que eles são o NÃO casal da música POP mais bonito que existe todos nós sabemos, mas como companheiros na música... hum... Fica devendo um pouco. Meu problema com LFL é seu refrão repetitivo e fastidioso. Além do que, se a música fosse um pouco mais curta e não exagerasse tanto nos momentos errados, talvez tivesse sido uma surpresa. 

13 Beaches

Lembra dos paparazzis do início do texto? Essa música é direcionada em grande parte aos mesmos. O vocal da Lana está limpo aqui e um pouco menos arrastado do que em outras faixas do registro. O instrumental (que é um problema no álbum) ousa e não decepciona o ouvinte. Prima de West Coast é mais uma daquelas faixas obrigatórias da Lana quando vamos indicar suas músicas para iniciantes em seu som. Uma das melhores, sem dúvida.

Cherry

S-A-F-A-D-A! Você não está ouvindo um álbum de Lana Del Rey se não houver pelo menos uma música assanhadinha, não é mesmo? As batidas pulsantes, o vocal afetado que mescla sensualidade com confusão... OMFG. Lembrei de Carmen impulsivamente e fiquei muito feliz quando fiz a comparação, já que a mesma é uma das melhores faixas do BTD. Assim como sua antecessora, Cherry é uma das melhores do disco.

White Mustang

Tem um início promissor e talvez seja a música mais descomprometida do álbum, porém nem tudo são rosas. Perdi a conta de quantas vezes Lana repete: "White mustang.
Your white mustang" durante a faixa. Felizmente tem curta duração, porque não sei o que sairia dali se mais 2/3 minutos fossem acrescentados.

Summer Bummer (feat. A$AP Rocky and Playboi Carti)

Por mais que a letra seja uma bobagem sem tamanho, e o feat não seja necessariamente fundamental, mesmo assim continua me cativando. Gosto do minimalismo da faixa e da pegada psicodélica que ela institui. Não faz nenhuma diferença no álbum, mas não acho que atrapalhe em um conjunto.

Groupie Love (feat. A$AP Rocky)

BEM melhor que Summer Bummer! Apesar de ter o mesmo defeito de LFL (refrão) a faixa me conquistou. Gostei bem mais do feat aqui, além da voz da Lana estar lindissíma. De todas as faixas, é a que Lana disse mais ter feito com "facilidade"... Impressionante!

In My Feelings

PARADISE EDITION, VOCÊ ESTÁ AI? Mesma vibe de Cherry. só que dessa vez multiplicada por quatro. Lembro que minha reação ao ouvir foi de pura perplexidade. GENTE É MUITO BOA O QUE Q ISSO!!! São essas pequenas coisas que só a Lana consegue fazer, que tornam o trabalho dela tão único. 

Coachella - Woodstock In My Mind

É nesta faixa que o maior problema do álbum fica nítido, e infelizmente diminui pontos na média final. Letra? Impecável! Lana coloca verdade na música, o que por si só já vale a audição, mas Coachella mais parece um registro feito por cantores amadores, daqueles de garagem. O instrumental é porco, pra não dizer outra coisa. Não entendi bem o desleixo com a faixa, e até com a produção do álbum em si. Faltou um pouco de ambição, tirando isso eu gosto da música.

God Bless America - And All Beautiful Women In It e When the World Was at War We Kept Dancing

Coloquei as duas juntas porque elas são um conjunto de algo igualitário. São nessas duas faixas que Lana mostra seu lado humanitário - flertou com isso em Coachella. Além de ser algo curioso que complementa o álbum, é também bastante corajoso; Poxa Lana... por que você é tão maravilhosa? São cativantes e cumprem com o que propõe.

Beautiful People, Beautiful Problems (feat. Stevie Nicks)

E chegamos a melhor faixa do álbum! São tantas coisas que a tornam uma faixa tão especial; Estou com dificuldade de enumerar, confesso. Primeiramente: Stevie Nicks que dá um verdadeiro show e mostra porque tem título de lenda. Os vocais das duas unidos são um deleite aos ouvidos. Isto, aliado ao incrível significado da música, que prega a empatia e a reflexão, a tornam talvez um dos melhores trabalhos de Lana desde Brooklyn Baby (Ultraviolence). Tão boa que chega dói <3

Tomorrow Never Came (feat. Sean Lennon)

Antes do lançamento oficial, já era esperada ansiosamente. O legal da faixa, é como ela brinca com a fatídica coincidência de uma fã dos Beatles, estar cantando sobre eles, ao lado do filho de um de seus membros. Em um dos trechos mais belos do Lust for Life, ela diz: "Isn't life crazy? I said. Now that I'm singing with Sean". Impossível não cair de amores pela música. Vocais impecáveis, instrumental conduzido por cordas... Obra prima!

Heroin

Polêmica! Em outros álbuns já ouvimos o flerte de Del Rey com as drogas, mas nesta faixa isso fica nítido. O defeito dela são os 3 primeiros minutos que não entregam nada de surpreendente ou que se destaque em meio as outras faixas. Porém, a situação muda depois do minuto três e o resultado não poderia ter sido melhor. Enigmática, envolvente e com sonoridade alheia aos trabalhos anteriores. 

Change

Passa um pouco batido dentro do conjunto do Lust for Life. É uma balada bonita, com um refrão que gruda na cabeça e ganha pontos ao longo da faixa. Mas é só! Não acho-a ruim de maneira alguma, contudo não é nenhum destaque do disco.

Get Free

Um digno encerramento é o que Lana sempre ofereceu, e aqui não foi diferente. Também uma das minhas faixas favoritas, Get Free é um pouco mais animada, contando com vocais de fundo e uma produção mais lírica. O refrão? Fantástico! Foi a 3° que mais ouvi até agora, de acordo com o Last.fm.

Esperava o melhor de Lana del Rey e seu Lust for Life, já que estamos falando de uma futura lenda da música. Porém, o que ela apresentou aqui está acima de qualquer expectativa que eu cheguei a ter. O 4° álbum de estúdio, é também o melhor de sua carreira! Com arranjos especiais, uma voz de dar inveja e letras inspiradoras, é que Mrs. Del Rey constrói sua obra prima, até agora. Lorde, Lana e Kendrik: vocês são a trindade da música, esse ano. Alguma dúvida de que Lana não precisa provar mais nada para ninguém?

Nenhum comentário:

Postar um comentário
















EU VIVO LENDO. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.
DESIGN E DESENVOLVIDO POR SOFISTICADO DESIGN